segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Liga Espanhola - Barcelona - Real Madrid: 5-0 (Golos - vídeo)

Há dias em que não se pode sair à rua. Mourinho, Ronaldo e Cª que o digam.

Os golos (Xavi; Pedro; Villa; Villa; Jeffren):

Um "guloso" esperto

Retomando o tema do "post" anterior, temos de convir que o deus de Alberto João é um "unhas" e que uns modestos "cinquenta milhões" são suficientes para satisfazer o líder madeirense quando a benesse "cai do céu". O mesmo, porém, já não acontece em relação ao "maná" da República que, por mais abundante que seja, nunca lhe satisfaz a gula.
Ainda recentemente tivemos mais uma oportunidade para o comprovar quando os deputados do PSD eleitos pelo círculo da Madeira, uns paus-mandados de Alberto João, votaram contra o Orçamento de Estado, porque o Orçamento, na perspectiva do mandante, vai contra os "interesses" da Madeira, pressupondo, naturalmente, que estes se sobrepõem ao interesse geral do país.
Diria mais tarde o Prof. Marcelo, na sua homilia dominical, partindo desta constatação, que a decisão de Alberto João foi errada e que com ela não fez justiça à sua "inteligência". Note-se que Marcelo não estava a ser irónico, o que nos faz suspeitar da sua própria argúcia, pois se mostrou incapaz de distinguir entre inteligência e esperteza, como no caso se imporia. É que, se são legítimas as dúvidas sobre a "inteligência" de Alberto João, a sua esperteza não sofre constestação. Na verdade, fazendo-se passar e comportando-se, na sua actuação política, como um inimputável, de tudo lança mão para atingir os seus fins: diz as maiores barbaridades como o ar mais sério deste mundo e não recua perante os insultos quando tal lhe convém e contra quem lhe oferece alguma resistência, ainda que o destinatário se chame senhor Silva. E sempre com total impunidade, como a inimputável convém.

domingo, 28 de novembro de 2010

A mão de Deus ?


"Vejo nisto a mão de Deus. Os socialistas roubaram-nos na Zona Franca e Deus repôs parte daquilo que eles nos roubaram” (afirmação atribuída a Alberto João Jardim, presidente do Governo da Madeira, a propósito do facto de uma sociedade de apostadores madeirenses ter ganho mais de 50 milhões de euros em prémios do Euromilhões.
Confesso que estive a um passo de ilustrar a afirmação de A.J.Jardim, indo à busca na net da figura dum bácoro. Não cheguei, porém, a concretizar a intenção. Felizmente, digo eu, pois estaria a cometer uma injustiça: um bácoro teria sido incapaz de proferir a dupla bacorada, e não teria a mesma falta de memória.
A tirada  fica bem melhor ilustrada com a imagem do autor, que vê "a mão de Deus" em cinquenta milhões, mas que se esqueceu depressa da "mão" que lhe entregou mil milhões.
(Reeditado, incluindo o título)

sábado, 27 de novembro de 2010

Futebol: Sporting - FC Porto: 1 - 1 (Golos - Vídeo)

O empate foi um resultado curto para o Sporting que foi a melhor equipa em campo, sobretudo no primeiro tempo.O FC Porto que era favorito não o demonstrou em toda a primeira parte, tendo apenas dado um ar da sua graça, já na segunda metade e mesmo assim sem se superiorizar ao Sporting. No entanto, a melhoria no segundo tempo valeu-lhe um golo, o empate e a invencibilidade no campeonato. Com este resultado, o Sporting confirmou o adeus ao campeonato e o Porto caminha a passos largos para o título. Valha-nos que o Sporting mostrou que, pelo menos, de vez em quando é capaz de se bater com os melhores.
Fraca consolação, mas enfim...

Os golos:
Valdés (Sporting)
;

Falcao (Porto)

Marinho Pinto

Por boas razões, segundo uns, por más, no entender de outros, certo é que o Bastonário da Ordem dos Advogados, António Marinho Pinto foi reeleito para o cargo, por números expressivos: 9532 votos num universo de 20.521 votantes, contra os 5991 atribuídos a Fernando Fragoso Marques  e os 3666 de Luís Filipe Carvalho.
Quaisquer que tenham sido as razões que estiveram na base da escolha (os seus colegas de profissão é que sabem) um dado é certo: a Marinho Pinto, um homem frontal, não falta coragem para denunciar injustiças e a Justiça, nos dias que correm, bem precisa de gente como ele.
(Imagem daqui)

Graças a Zeus...

... já temos quem, de mãos postas, rogue ao FMI que faça o favor de entrar para tomar conta da "loja".
Ele, de acordo com a entrevista dada ao "Expresso", dispõe-se a fazer de mestre de cerimónias. A  entrevistadora (Clara Ferreira Alves) fará de acólita ?
(Imagem roubada à edição de hoje do "Expresso")

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Um retrato

Retrato de Cavaco Silva, pelo traço de José Miguel Júdice, com o qual, mais ponto, menos ponto, concordo.
Só não percebo é a razão por que Júdice faz parte da Comissão de Honra do recandidato à Presidência da República. A bota não bate com a perdigota. Ou bate ?

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Liga dos Campeões: Hapoel Tel Aviv 3-0 Benfica (golos - vídeo)

O Benfica já conheceu melhores dias. Perder com o Hapoel Tel Aviv por 3-0, em jogo para a Liga dos Campeões, não estava, de certo, nas previsões. Mas aconteceu e, pese embora o facto de o Benfica ter mais posse de bola, o resultado é justo. Ter o domínio do jogo e não marcar, não dá para ganhar. É preciso marcar golos e foi isso que o Hapoel fez, perante uma defesa que foi uma passadeira. Para cúmulo da desgraça, o Benfica disse adeus à Champions League
Os golos:

Para arrefecer os ânimos...

... em dia de greve geral, com  mais de três milhões de grevistas,  nas palavras de Carvalho da Silva (CGTP) e de João Proença (UGT) (números em que de todo não acredito) aqui vai esta notícia:
O plano de austeridade a quatro anos apresentado pelo Governo irlandês prevê poupanças de 15 mil milhões de euros: dez mil milhões através da redução dos custos, e cinco mil milhões via aumento das receitas. Medidas pelo lado da despesa:  redução do salário mínimo em um euro por hora; o corte de 24.750 postos de trabalho na função pública; um corte de 2,8 mil milhões de euros, equivalente a um quinto do total, na área social. Pelo lado da receita:  subida do IVA, faseada, que será de 22 por cento em 2013 e de 24 por cento em 2014; um novo imposto sobre a propriedade; mudanças nos impostos sobre o rendimento para permitir um encaixe adicional de 1,9 mil milhões de euros .
Como o "grande êxito" de Carvalho da Silva e João Proença podem ter dado mais um contributo,  para idêntico cenário, faço votos para que um e outro durmam bem.

Pensamento do dia

Quem consome o que não produz e gasta o que não tem, mais tarde ou mais cedo, pode contar com os cobradores à porta e com os credores agarrados à canelas.
Por mais que estrebuche !


[Tal como a Fernando de Bulhões (S.to António de Lisboa/Pádua) deu-me para pregar aos peixes ! ]
(Imagem daqui)

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

O impensável acontece...

O impensável acontece quando um Presidente da República, ainda que nas vestes de candidato à reeleição, se permite, com afirmações deste teor, alimentar a desconfiança dos credores internacionais, numa altura em que existem dificuldades no financiamento externo.
Portugal não precisa de inimigos quando na cadeira presidencial se senta um "amigo" destes. E quer ele ser reeleito?  Com o meu voto, nunca, jamais, em tempo algum !

Quem precisa duma greve geral ?

A CGTP e a UGT prometem-nos para depois de amanhã uma greve geral. Será que é disto que o país precisa ?
Estaria disposto a responder afirmativamente, se a greve geral tivesse o condão de chamar a atenção para as dificuldades que o país atravessa derivadas da crise financeira internacional, mas também dos desequilíbrios da nossa economia (nas contas públicas, mas sobretudo nas trocas com o exterior) desequilíbrios que os financiadores externos parece não estarem dispostos a financiar indefinidamente, como o  demonstra a sucessiva subida das taxas de juro.
Mas não, o objectivo é protestar contra as medidas restritivas que o Orçamento para 2011 traz no bojo. Cabe por isso perguntar se, perante as dificuldades que a economia portuguesa enfrenta no que respeita ao financiamento externo, existe alternativa ?
Eu penso que não, mas, se calhar, os promotores e organizadores da greve geral julgam que esta vai comover os credores internacionais.
Se assim pensam, são tolos. "Ce sont fous, ces romains", como diria o Astérix. Ou seria o Obélix ?

O discurso da "tanga" regressa dentro de momentos...

(Lembrete para o desmemoriado Cavaco et al.)

Sacrificando aos "mercados"

Depois da Grécia, chegou a vez de a Irlanda ser oferecida na ara dos "deuses" do "mercado".
Será que o "sacrifício" da Irlanda vai ser suficiente para "apaziguar" os "deuses"?
Sim, segundo a opinião do ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schaeuble.
Que Zeus o ouça e que os "profetas da desgraça" não forcem muito a corda !

sábado, 20 de novembro de 2010

Paz sim, hipocrisia não !

Aproveitando a oportunidade oferecida pela realização da Cimeira da NATO, decorreu hoje em Lisboa uma manifestação de protesto contra aquela Organização, sob o lema "Paz sim, NATO não", que terá reunido entre oito mil manifestantes, segundo esta contagem e trinta mil segundo os promotores
Não se contesta, como é óbvio, a legitimidade da manifestação, nem se põe em dúvida  o mérito de iniciativas que tenham como objectivo a promoção da paz, nem a genuinidade da motivação de alguns manifestantes.
Tendo, porém, em conta, segundo aquela notícia, que "apesar do motivo ser a NATO, o que se ouve de quem veio para o centro de Lisboa são protestos contra o governo, a crise, o desemprego" e que a maioria dos manifestantes era constituída por militantes do PCP, "vindos de várias cidades do país", embora não se questione a legitimidade,  fica a dúvida sobre  a real motivação da maioria.
Dúvida que se alimenta de uma dupla constatação:  por um lado, verifica-se que as intervenções da NATO, após os tempos da "guerra fria", ou têm revestido um carácter humanitário (como na Bósnia e no Kosovo) ou têm sido levadas a cabo em defesa da liberdade de navegação marítima (nas costas do Índico, ao largo da Somália), ou ao abrigo da autorização do Conselho de Segurança das Nações Unidas (no Afeganistão); por outro, manda a verdade que se diga que o PCP nunca protestou contra invasão da Hungria pelas forças soviéticas em 1956, nem contra o esmagamento da "Primavera de Praga" pelas tropas do Pacto de Varsóvia, em 1968, nem contra  a invasão e subsequente ocupação do Afeganistão, em 1979, pela União Soviética.
Fracas são, pois, as credenciais da maioria dos manifestantes como defensores da PAZ e, sendo assim, a manifestação por parte da mesma maioria  só pode ser encarada como mais um exercício de hipocrisia. 

Mais uma ajuda aos "mercados"

Para Passos Coelho,  a dívida pública e o défice são muito superiores aos “números fictícios” do Governo. Segundo ele, o défice é de 9,5% e a dívida pública anda pelos 112%.
 De que cartola é que Passos tirou estes números não sabemos, nem isso interessa aos "mercados" que, no entanto, agradecem, por certo, esta prenda do "generoso" Coelho. O diabo é que seremos nós a pagar a factura.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

De janeiro a janeiro ?

"De janeiro a janeiro" diz a cantiga da publicidade do "Pingo Doce", mas no que respeita à distribuição de dividendos a música é muito outra:  ao que se anuncia, a Jerónimo Martins, seguindo o exemplo da PT e da Portucel (e outros provavelmente, que a procissão ainda vai no adro) prepara-se para distribuir antecipadamente 50 por cento dos lucros do exercício em curso.
É verdade que a legislação comercial portuguesa permite a distribuição antecipada de dividendos, mas a norma não foi, com toda certeza, concebida como expediente para subtrair dividendos ao pagamento de impostos. Assim sendo, ainda que a antecipação do pagamento de dividendos possa ser considerada como legalmente admissível, nem por isso deixa de ser eticamente censurável, nestes casos. O uso, por parte das empresas, de um expediente legal que configura, objectivamente, uma fuga ao fisco, num momento de crise, em que são exigidos sacrifícios generalizados, mostra o quão graves são a falta de civismo e a insensibilidade social dos nossos empresários.
Chocante é o que é.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Futebol: Portugal - Espanha 4 - 0 (Golos - vídeos)

Foi um jogo amigável, é certo, mas vencer os campeões mundiais por 4 golos sem resposta, não é para qualquer um. Para dizer a verdade, nem sei que diga, tal é a façanha.
Vamos aos golos:

(Carlos Martins)


(Helder Postiga)



(Hugo Almeida)

terça-feira, 16 de novembro de 2010

"Ce sont fous ces romains"




Com o título me enganas...

A realidade é esta: no final de Outubro, encontravam-se inscritos nos Centros de Emprego do Continente e das Regiões Autónomas menos 4.974 pessoas do que no mês anterior.
Porém, ao ver o anúncio da notícia no "Público" on line, "Outubro com mais 33.320 desempregados" confirmado pelo título da notícia, "Centros de emprego registam mais 33.320 desempregados em Outubro" confesso que não me livrei dum susto.
Jornalismo de referência, dizem. Para aldrabões, talvez, acrescento eu.

domingo, 14 de novembro de 2010

Poupem as meninges !

Esfalfam-se os políticos, politólogos e demais comentadores a construir cenários sobre o governo e o futuro do país. Trata-se, a meu ver, de um exercício inútil que não traz qualquer vantagem. É que, nesta altura, assegurada que está a aprovação do Orçamento, o actual Governo tem condições para governar e, para além disso, não há neste momento, nem haverá, num futuro próximo,com a actual composição parlamentar, outra alternativa: nem o PSD aceita responsabilidades governativas, sem novas eleições, nem o PS pode aceitar as exigências de Paulo Portas e de mais uns quantos do PSD quanto ao afastamento de José Sócrates da chefia do Governo.
Sobra que a especulação sobre tais cenários se revela prejudicial ao país, pois alimenta os receios de uma instabilidade governativa que está longe de ser real, pois nem sequer é seguro que haja, a curto ou médio prazo, novas eleições, e os receios não favorecem, de certeza, a imagem do país perante os credores internacionais, nem ajudam à descida das taxas de juro.
Recomenda-se, por isso, em particular, aos políticos que poupem as meninges e se concentrem em encontrar soluções para os problemas que o país enfrenta. Como estes são reais e não são de fácil resolução terão aqui matéria mais que suficiente para se entreter.
(Imagem daqui)

sábado, 13 de novembro de 2010

Gente "corajosa" !

Diz o "Público" on line que a Esquerda do PS e figuras do soarismo procuram alternativa a Sócrates para "Governo patriótico". Em surdina, por enquanto, adianta o jornal. Ora, eu, que não tenho o ouvido tão apurado quanto as e os jornalistas do "Público" (Leonete Botelho, São José Almeida, Nuno Simas, Rita Brandão Guerra) não sei se é verdade, se é mentira. O que sei é que, nas actuais circunstâncias,  não será fácil encontrar no PS alguma outra personalidade com a coragem e determinação de José Sócrates para enfrentar as dificuldades que o país atravessa. Eu, pelo menos, não estou a ver, entre as figuras apontadas como futuros candidatos à liderança do PS, ninguém com essas características.
A quem eu tenho ouvido, ultimamente, defender a tese do "governo patriótico" ou de "salvação nacional" e, simultaneamente, o afastamento do actual primeiro-ministro, é à direita (Paulo Portas pelo CDS e Pacheco Pereira e Paulo Rangel, designadamente, pelo lado do PSD. Compreende-se a ideia, porque para a direita (e só para esta) a solução seria ouro sobre azul:  regressava ao poder em posição de força (uma vez que lhe era reconhecido o direito a veto na escolha do primeiro-ministro)  não correndo grande risco de ser associada às medidas  de rigor orçamental, tomadas ou a tomar, porque o PS  (como partido maioritário dentro da coligação e, aparentemente, o único responsável pela indigitação do primeiro-ministro)  continuaria a ser visto como o principal responsável.  Logo, o mais penalizado.
A defesa pela direita desta solução não deixa, no entanto e ao mesmo tempo, de ser surpreendente: sabendo-se que as últimas sondagens apontam para uma vitória da direita em eventuais eleições legislativas, uma tal posição só se explica pelo medo em assumir o risco da governação em tempos de crise.
Pelo que, ou esta gente é muito "corajosa", ou não está preparada para as surpresas do novo "ovo kinder" (Passos Coelho, nas palavras do seu "companheiro" Morais Sarmento).

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Surpresa, dizem eles

A generalidade dos economistas e analistas manifesta-se surpresa com o desempenho da economia portuguesa, com o PIB a crescer 0,4% no 3º trimestre face ao trimestre anterior e com uma variação positiva de 1,5%, em  termos homólogos.
Motivo para surpresa tem também o leigo na matéria perante tanta surpresa. É que, de facto, ao longo de todo o ano de 2010, temos assistido à mesma cena: o desempenho da economia portuguesa a ultrapassar, em muito e sistematicamente, as previsões dos analistas que, aliás, também por sistema, têm considerado como irrealistas as estimativas do Governo. 
Ora,  se são estas as que se têm mostrado bem mais conformes com a realidade, cabe perguntar: por que razão tal acontece?  Interrogo-me, porque, supostamente, os instrumentos de análise de que o Governo  dispõe não são melhores do que os dos analistas. Dá, no entanto, para ver, até para o leigo, que as previsões pessimistas dão fôlego à especulação. Residirá aqui a resposta ? Fica a pergunta para os especialistas.

Pimenta na língua

Salvo melhor opinião, o Governador do BdP, do que está mesmo a precisar, é de pimenta na língua. Para pensar duas vezes antes de abrir a boca para falar.
Já agora, igual receita para a eurodeputada Ana Gomes, mulher corajosa, sem dúvida, mas que sofre do mesmo mal: irreflectida, fala do que não sabe e sem pensar nas consequências do que diz.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Justiça enlameada

A justiça portuguesa é uma inegostável fonte de surpresas. Por regra, ultimamente, desagradáveis. Hoje, é objecto de notícia o juiz-presidente do Tribunal de Alenquer (que dá pelo nome de Afonso Dinis Nunes ) que decidiu "adiar julgamentos para 2011, alegando que devido ao corte de 600 euros no salário terá de reduzir o seu horário de trabalho extraordinário por motivos financeiros". A atitude do juiz (?) é deplorável e indigna de um juiz, mas o caso poderia ser encarado à luz do ditado que diz que "uma andorinha não faz a primavera" e o comentário poderia ficar por aqui. E ficaria, ressalvando-se assim a honorabilidade de toda a magistratura judicial, se se não verificasse a circunstância  de a notícia (surgida no Correio da Manhã) ter sido acolhida no próprio site da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP), facto que só pode ser entendido como sinal de apoio ao comportamento do juiz (?) elevado à categoria de exemplo a seguir.  O que significa que a direcção do juiz-desembargador António Martins faz questão que toda a magistratura judicial saia  enlameada do caso.
Não será altura para o Conselho Superior da Magistratura tomar uma atitude ?  É que se a não toma temos de nos perguntar para que serve o auto-governo dos juízes? Para os correr a todos com as classificações de "Bom" e "Muito Bom"?
Não será "curto"?

Directamente para o livro dos recordes



Em Beja:
E o Portas ainda clama, dia sim, dia sim, que há falta de polícias !

terça-feira, 9 de novembro de 2010

O "culpado"

Por muito detestável que seja o regime chinês (uma ditadura que nem "comunista" já é) a verdade é que a recente visita do Presidente da China, Hu Jintao, constitui só por si, independentemente dos resultados, um sucesso que vem confirmar o que já tinha ficado claro aquando da eleição para o Conselho de Segurança das Nações Unidas: Portugal, um país com reduzida dimensão territorial, tem um peso na cena internacional muito superior ao que seria de esperar tendo em conta a sua dimensão. Sem dúvida que estes êxitos têm a ver com ligações que vêm do passado, mas também não se pode subestimar a acção da actual diplomacia portuguesa.
Dir-se-á que estes êxitos não enchem barrigas. Não será, porém, tanto assim, quando se sabe que as exportações portuguesas continuam a crescer bem acima das previsões. Ora, se é verdade que o excelente desempenho das exportações é atribuível, em primeira linha, ao dinamismo dos empresários do sector, não é menos verdade que o sucesso se deve também, em grande medida, à diplomacia económica que o Governo tem desenvolvido. E o primeiro-ministro, muito em particular, pois, quer se queira, quer não, é um facto que José Sócrates é o principal "culpado". Os acordos hoje celebrados com a Argélia aí estão para, uma vez mais, o comprovar.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Jornalistas ou papagaios?

O jornalista e investigador norte-americano Steve Doig calcula [de acordo com a metodologia por ele usada e explicada no seu blogue (a que cheguei por esta via)] que o número de participantes na manifestação, contra as medidas de austeridade, promovida pelos sindicatos da função pública afectos à CGTP, no passado sábado, terá andado entre 8 mil a 10 mil pessoas, enquanto a organização aponta para os 100.000  participantes, número este que é o único divulgado pelos jornais diários que ontem me dei ao trabalho de folhear (DN, JN e "Público") indo o DN ao ponto de nem sequer indicar que o número era o indicado pela organização.
Compreende-se perfeitamente que os promotores deste tipo de iniciativas tenham por hábito (que, pelos vistos, consideram normal) empolar os números, porque é em função dos divulgados que se afere o seu êxito ou o seu fracasso: quanto mais elevado o número, maior o sucesso.
Ao invés, já não se compreende lá muito bem a forma acrítica como os media em geral engolem com tanta facilidade os números que lhe são assoprados, até porque, como o demonstra o trabalho do jornalista norte-americano, é possível para qualquer jornalista dotado de um mínimo profissionalismo e de sentido crítico avançar com os dados resultantes da sua própria observação.
Limitar-se a debitar números fornecidos pela organização não é jornalismo, nem digno de jornalistas: qualquer papagaio era capaz de fazer o mesmo.
Infelizmente, constata-se todos os dias que jornalistas-papagaios é o que mais há por aí.

domingo, 7 de novembro de 2010

No Dragão: Águia depenada - Porto 5 - Benfica 0 (Golos - vídeos)

Que o Futebol Clube do Porto se encontra em excelente forma já não era novidade. A vitória sobre o Benfica era, pois, perfeitamente previsível, pois o Benfica tem andado longe do seu melhor e muito longe das exibições da temporada passada em que justamente se sagrou campeão. O que ninguém ousaria antecipar, nem o mais ferrenho portista, é que o Benfica saísse do Estádio do Dragão com uma derrota tão pesada. Que o Benfica perdesse por 5 golos sem resposta era algo fora de todas as previsões. Quase se pode dizer que também o Benfica, agora a 10 pontos do líder FCP, pode dizer adeus ao campeonato.
Os golos:

Varela:


Falcão:




Hulk:


Lembrete

A propósito das declarações ultimamente proferidas por Pedro Passos Coelho defendendo a responsabilização no plano civil e no plano penal de todos quantos "colocam em causa o futuro do país” (conceito tão oco quanto o que, pelos vistos, lhe passa frequentemente pela cabeça), faz todo o sentido lembrar-lhe que "Nos últimos 30 anos, a despesa pública aumentou de 29% para 45% do PIB. Um aumento do peso do Estado na economia de 16,3 pontos percentuais, dos quais 12,1 p.p. (75%) aconteceram em governos liderados pelo PSD e apenas 4,2 em governos PS." (Manuel Caldeira Cabral, em estudo publicado, na íntegra, aqui *)
O lembrete faz sentido, porque, com tanta gente do seu partido, a começar por Cavaco, a incorrer em responsabilidade civil e criminal, segundo a tese de Coelho, este arrisca-se, com tanta fúria justiceira, a ficar na sede do PSD falar sozinho para as paredes.
(*O estudo vem citado aqui e aqui)