domingo, 14 de dezembro de 2014

De regresso...

Não tenho qualquer ilusão sobre o escassíssimo interesse dos textos que aqui vou deixando. Ainda assim, estou de volta depois de um interrupção de algumas semanas. Por uma razão bem simples: por muito modesta que seja uma voz, como a minha, ninguém está dispensado de fazer o que esteja ao seu alcance para desalojar a corja que desde há mais de três anos tudo tem feito para destruir o país. 
Cá estou, pois, a responder à chamada. De novo.

4 comentários:

Manuel Azevedo disse...

Então, que seja bem "(re)vindo", meu caríssimo Francisco Clamote. E força, que já falta pouco para pormos esta corja a andar...

Anónimo disse...

...modéstia à parte, quantas mais vozes se juntarem, mais longe e mais forte chega o SOM .
Ginginha, moi même.

S. Bagonha disse...

Pois saiba que é bom tê-lo de volta, caro Francisco.
Já "sobre o escassíssimo interesse dos textos que aqui vai deixando", bom, se assim fosse já não tinha fregusia, ou não?
E sim, "por muito modesta que seja uma voz, como a sua, ninguém está dispensado de fazer o que esteja ao seu alcance para desalojar a corja que desde há mais de três anos tudo tem feito para destruir o país".
Bem haja.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Como ainda não tinha lido este post, replico o comentário que fiz no post acima.
Abraço

PS: pessoalmente, também vou teimando, mas vou ter de fazer uma pausa ( ou pelo menos redução drástica de posts) no início do ano.