quinta-feira, 5 de junho de 2014

O drama

António José Seguro sai literalmente esmagado de "Uma sondagem realizada pela Aximage para o Jornal de Negócios e Correio da Manhã [que] revela que quase 63% dos portugueses prefere António Costa para primeiro-ministro. António José Seguro consegue menos de 20%."
O drama, porém, não se fica por aqueles números. É que no confronto com o actual titular do cargo, Seguro não consegue, segundo a sondagem, distanciar-se de Passos Coelho a não ser marginalmente (43% das opiniões favoráveis a Seguro contra 39,5% favoráveis a Passos Coelho) diferença que permite encarar como possíveis todas as hipóteses em futuras eleições legislativas, incluindo, naturalmente, a hipótese de Seguro acabar por ser desfeiteado por um Passos Coelho que não passa de uma figura menor e que só se alcandorou ao poder, porque é um aldrabão.  Hábil, tenho de convir.
Só o equacionar de uma tal hipótese já dá uma ideia da pequenez (política) do actual secretário-geral do PS, pequenez que ele e os seus amigos se têm encarregado de tornar cada vez mais evidente à medida que passam os dias.
Não haverá em Seguro e nos seus amigos uma réstia de clarividência que lhes permita ver que a resolução da crise em que o PS está mergulhado requer uma solução para breve e não consente o seu prolongamento por meses e meses?

3 comentários:

Majo disse...

~
~ Andamos todos à espera que Seguro acorde, de vez, e acabe
com o atual entretenimento preferido dos media.

~ Pode ser que esta sondagem ajude o difícil despertar.

Francisco Clamote disse...

Oxalá, Majo, mas confesso que a minha esperança nesse sentido é fraca. AJS alimentou o sonho de vir a ser primeiro-ministro durante muitos anos e é-lhe, agora, extremamente difícil acordar para a triste realidade de que ele não tem unhas para tal viola.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Seguro não suporta a ideia de morrer na praia e agarra-se ao lugar, sem cuidar dos interesses do país. Vergonhoso!