domingo, 1 de junho de 2014

Para que servem os amigos?

A proposta apresentada ontem por António José Seguro na Comissão Nacional é completamente absurda e nas actuais circunstâncias não faz mesmo nenhum sentido. 
O dia, porém, acabaria por mostrar que o pior estava para vir. De facto, durante o dia, António José Seguro teve oportunidade de fazer variadas intervenções junto da comunicação social qual delas a mais infeliz. Digo infeliz, porque a imagem que resulta de tais intervenções é a de um homem agarrado ao poder, mas perfeitamente desnorteado e incapaz de definir um rumo que faça sentido.
Não creio que, a partir do dia de ontem, ainda haja por esse país fora muita gente que o leve a sério.
Se pergunto, no título, para que servem os amigos, é porque me parece que os seus amigos tinham a estrita obrigação de lhe chamar a atenção para a triste figura que tem andado a fazer, desde que António Costa anunciou querer disputar a liderança do PS.
O ridículo da situação criada por Seguro leva-me a crer que, mais dia, menos dia, com maior ou menor dificuldade, António José Seguro vai ser desalojado da liderança do PS. Por culpa própria, a saída de cena já será sempre penosa e sem um mínimo de dignidade.
Lamento e lamento-o.

2 comentários:

Majo disse...

~
~ Concordo inteiramente consigo, Amigo.

~ Afinal, trata-se de disputar umas eleições antecipadas, situação que ele pediu,
a 25 de Maio, para o governo, no discurso de encerramento da campanha às L E.

~ Tem aspeto de imaturo e está a portar-se como tal-- um carácter pusilânime que
tanto nos dececionou.

~ Uma atitude superior e digna, seria a única conveniente e aconselhável.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Cuidado com as lapas, Francisco.