quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

"Coprolábia"

«Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, chega ao proscénio e diz que a Troika exagerou na imposição da austeridade, por desnecessária, e roubou a decência aos povos de Portugal, Espanha e Irlanda. Surge, afobado, o dr. Passos Coelho, e desmente Juncker, quase declarando que a Troika trouxe consigo felicidades inauditas. As aldrabices, mentiras e omissões deste cavalheiro atingem as zonas da coprolábia. Ou, então, pior do que tudo, usa os óculos de Pangloss, e vê um Portugal abençoado pelos deuses, embora esses deuses sejam desconhecidos, e o país seja absolutamente outro.
Um milhão e quinhentos mil desempregados; dois milhões na faixa da miséria: cento e quarenta mil miúdos que vão diariamente em jejum para a escola; quase duzentos mil jovens que abandonaram o País por carência de futuro; dezenas de doentes que morrem nos corredores dos hospitais por falta de assistência; velhos a quem foi subtraído todo e qualquer meio de subsistência; funcionários e outros aos quais cortaram todos os escassos salários – isto não terá como consequência a perda da decência e da dignidade? E perda da decência e da dignidade não consistirão nos constrangedores actos praticados por membros do Executivo, e pelo dr. Cavaco, relativos ao governo e, decorrentemente, ao povo grego?, com a torpe recusa em apoiar as propostas de quem foi legitimamente eleito, e colando-se, vergonhosamente, à estratégia da política alemã?
(...)»
(Baptista-Bastos; "Há sempre solução". Na íntegra: aqui. Destaque meu.)

(Haja quem inove! Coprolábia, o termo que faltava para designar, com todo rigor e não menor propriedade,, o discurso deste governo abominável. Baptista-Bastos está de parabéns.) 

2 comentários:

Majo disse...

~
~ ~ BB colocou todos os pontos nos 'is', como é usual
dizer-se quando o discurso é objetivo e adequado.
~ ~ ~

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

BB no seu melhor e Costa no seu pior ( desculpa a insistência, Francisco, mas aquilo não me sai da cabeça)