quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

"Não é difícil perceber porquê"

«Passos Coelho já tinha estado mal com o seu "conto de crianças". Mas Cavaco Silva, seguindo a mesma linha, conseguiu estar pior ao dizer que já saíram para Grécia muitos milhões de euros da bolsa dos contribuintes portugueses. Como se Portugal não tivesse passado por uma intervenção externa. E se, durante o aperto do nosso programa, outros chefes de Estado ou de Governo dissessem o mesmo de nós? Como reagiria Cavaco?

Quem falou não foi o Presidente de todos os portugueses. Não pode ter sido. O sentido de Estado não é aquilo. Não pode ser. Hoje quem falou foi sobretudo o cidadão Cavaco Silva, o mesmo que se queixou da sua magra reforma a um Portugal sacrificado pela troika. O mesmo que se mostrou incomodado quando foi confrontado com o que tinha dito sobre o GES/BES, depois das reuniões com Ricardo Salgado. O mesmo que nunca se engana e raramente tem dúvidas. Serão só problemas de expressão?

Ao falar da "bolsa" dos portugueses, Cavaco Silva seguiu, uma vez mais, a narrativa do Governo. Mais colado era impossível. Mas quis também mostrar-se alinhado com os grandes da Europa. Quis ser alemão, finlandês, holandês. Optou ficar no lado dos que mandam. E logo no dia em que o Eurogrupo decidia a Grécia de Tsipras e Varoufakis. Que fraca... coincidência

Nos relatos dos jornais internacionais, Portugal aparece como um dos mais duros na mesa das negociações, claramente receando que no fim do dia a Grécia consiga alguma coisa. Se assim for, os portugueses vão querer saber porque é que o Governo (e também Cavaco Silva) não fez o mesmo, em vez de assumir que só havia a cartilha da troika. Com que cara aparecerá o país dos cumpridores a reclamar o seu quinhão?

A União Europeia vive um momento único e as propostas gregas levantam muitas interrogações. É legítimo que o PR manifeste as suas dúvidas. Mas não desta forma, agitando uns contra outros. Portugueses de um lado, gregos do outro. Os que cumprem e os que vivem do bolso dos outros. É esta a Europa de Cavaco Silva? São estes os valores que Belém defende para o projeto europeu?

Cavaco Silva é o Presidente que registou os mais baixos índices de popularidade juntos dos portugueses. Não é difícil perceber porquê.»
(Bernardo Ferrão; "Há um Cavaco dentro do Presidente" Daqui)

(Pois não. De facto, não é nada difícil. Difícil será encontrar um outro presidente que nos tenha envergonhado a este ponto, considerando apenas os que serviram durante a ditadura. Excluo da comparação os Presidentes da República que serviram após o 25 de Abril, por uma razão bem simples: a mera comparação do exercício presidencial de qualquer deles com a actuação de Cavaco já seria um insulto.)

3 comentários:

Majo disse...

~
~ ~ Poderia ser uma despropositada cavaqueira de Cavaco, mas não foi.

~ ~ BF tem razão foi grave repetir o discurso dos países que se mostraram renitentes em ajudar-nos.

Majo disse...

~ Errata. ~ Faltaram dois pontos. ~

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Chicamigo

Mesmo de Goa e com uma perna ao peito (raio de coisa, não maneira de cicatrizar!!!) venho dar o meu total apoio quer ao escrito, quer ao Autor, quer a ti, caro Amigo.

Cada vez mais (em Panjim e em todo o Mundo) tenho vergonha de ter um pseudopresidente assim. E um (des)Governo deste quilate...

Abç