quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

A jogar pelo seguro?

António José Seguro está, claramente, a jogar pelo seguro, se bem que a prudência seja compreensível, nas actuais circunstâncias. De facto, numa altura em que, graças à política de austeridade excessiva prosseguida pelo governo, a economia está em recessão prolongada e sem perspectivas de melhoria e o défice descontrolado, não é de admirar que António José Seguro não esteja ansioso por assumir a responsabilidade de governar.
O drama está em que, com este governo e com esta política, não é de esperar que a economia do país recupere, nem que a vida dos portugueses melhore. Muito pelo contrário. Será que Seguro tem dúvidas sobre isso, ou estará à espera que o governo caia de maduro, quando forem conhecidos os resultados da execução do Orçamento celerado? Eu não apostaria muito, ou mesmo nada, nessa hipótese, tal o fundamentalismo de Passos e Gaspar e o apego ao "pote" por parte dos partidos liderados por Passos e Portas que, não obstante as muitas divergências que corroem o interior da coligação, não têm dado mostras de largar o poder.

2 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

O Seguro- devo reconhecê-lo- hoje esteve mais seguro e convincente, mas o que aqui sublinhas é de extrema importância. Não só para o país, mas também para o PS e a sobrevivência do Seguro.
Como ontem aqui escrevi na tua caixa de comentários, ele espera que o governo caia de podre, mas não quer que apodreça muito depressa. Talvez isso lhe venha a ser fatal.

Isa GT disse...

Concordo com o Carlos e confesso que não gosto nada do Seguro porque não me transmite confiança nenhuma... mas mesmo nenhuma...

Bjos