segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Não há nada que o embarace

Tal facto, diz Pedro Passos Coelho, "Não é nada que me motive embaraço ou qualquer reticência".
E o facto é que, de facto, não me surpreende que Passos Coelho não se sinta embaraçado por tal facto.
Se ele não se sente embaraçado pelo facto de: manter em funções um ministro como Miguel Relvas; passar a vida a desdizer o que disse; prometer uma coisa e fazer, precisamente, o seu contrário; persistir numa política que, comprovadamente, condena o país à ruína e milhões de portugueses à miséria, por que razão é que Passos Coelho se havia de sentir embaraçado com a "esperteza" de criar uma "organização não governamental (ONG) concebida para obter financiamentos destinados a projectos de cooperação que interessassem à empresa Tecnoforma"?
A Passos Coelho não há nada que o embarace. Nem o facto de ser tratado, em letra de imprensa, como "adjunto do primeiro-ministro Vítor Gaspar". Nada. Nada mesmo.

1 comentário:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Não há nada que embarace uma consciência pesada. A de PPC já nem sequer lhe permite andar de espinha direita. Já reparate nas mais recentes fotografias do homúnculo?