terça-feira, 3 de setembro de 2013

Fraudes e (falta de) estratégia

"Na semana que passou, ficámos a saber que o Governo enviou para o FMI dados falseados sobre a evolução dos salários em Portugal.
Ao invés de mostrar que cerca de um quarto dos trabalhadores portugueses tinham tido reduções salariais, os dados enviados pelo Governo davam a ideia (errada) de que teria havido apenas estagnação, mas não redução dos salários. Este ‘lapso', como veremos, é tudo menos inocente.
(...)
A cumplicidade do Governo com tudo isto é preocupante, porque mostra que, mais do que defender Portugal, a maioria PSD-CDS está mesmo empenhada em usar esta crise como pretexto para sujeitar os portugueses a uma experiência ideológica, cuja única fundamentação, como se vem tornando evidente, não é a realidade, mas o dogmatismo de quem, pura e simplesmente, não está disponível para encontrar uma alternativa."
(João Galamba, in "Fraudes convenientes")

"A falta de estratégia sobre a reforma do Estado condena o país a ter mais um orçamento baseado apenas num exercício contabilístico de cortes, em vez de conseguir um documento com soluções de aumento da eficiência e de poupança, mas também com reformas que contribuam para a melhoria do Estado. (...)"

1 comentário:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

PPC é um traidor e só ainda lá está, porque tem Cavaco e Portas na mão.
no entanto, preocupa-me constatar que há muita gente, por esse país, que o defende de forma intransigente.
É o que dá ter um Seguro a liderar a oposição...