segunda-feira, 25 de abril de 2011

"Marketing" para atrasados mentais

Diz-nos o "Público on line" que a campanha ultimamente levada a cabo por Passos Coelho, iniciada com o vídeo colocado no Facebook com a mensagem de Páscoa e depois transmitida, usque ad nauseam, pela SIC, e logo prosseguida com a aparição em força (dele e da família) nas chamadas revistas cor-de-rosa constitui uma jogada de marketing político montada pelos seus estrategas de campanha, tendo como alvo a classe média, em cujo eleitorado, segundo as sondagens, Passos Coelho não colhe grande simpatia.
Não sei se este marketing, resulta ou não resulta, nem se é eficaz, ou não, nem isso me preocupa grandemente. O que sei e é motivo da preocupação é que este tipo de marketing trata os eleitores como atrasados mentais a quem se pretende "vender" um político, não pelas suas qualidades, enquanto tal, mas recorrendo apenas à exposição da intimidade pessoal e familiar do "produto", exposição de que resulta ficar a saber-se que Passos Coelho é  “um homem apaixonado” [razão para lhe darmos os parabéns] que gostava de ter mais filhos; um homem com quatro cadelas “a ficar já velhotas” (...) que gosta de cinema, de romances, que canta e que é especialista a fazer farófias, papos de anjo e queijadas" (informação esta particularmente relevante se a ideia for montar uma pastelaria em São Bento).
De facto, é preocupante, para o próprio Passos Coelho, pois ele vai passar a ser visto como um político medíocre que, à falta doutros argumentos, recorre, para se promover, a uma campanha que prima pelo ridículo e que trata os eleitores a quem se dirige como gente sem cabeça.
Preocupante ainda, porque, quanto a mim, esta constatação é mais que suficiente, se outras razões não houvesse, para não votar nele.

4 comentários:

anamar disse...

Verdade...
:))

Bruno da Cruz disse...

Apoiado! (o comentario não o candidato lolo)

aires disse...

eu acho uma maravilha estas campanhas nos jornais de PPC e Soares

que me parecem mui POUCO concertadas entre si, e sobretudo com CSilva... r+

Ontem aquelas mumias em Belem a falarem do que não fizeram, sob o alto patrocinio do BPN

fizeram-me deslizar na historia recente,

e perceber que ha muita, demasiada, promiscuidade entre estes almas penadas ontem ressuscitadas...

e a falar grosso,

como se nada dquilo que criticaram, tivesse a ver com eles,

mas só connosco, nobre povo...

porra dizia la marquise...

abraço

CS disse...

Alguns de nós, eleitores, valorizam um candidato pelos seus valores familiares. Vê algum mal nisso?
Rodrigo