sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Os exercícios vocais de Lomba

Pelo que ultimamente se tem visto, os briefings de Pedro Lomba, secretário de Estado adjunto do ministro adjunto e do Desenvolvimento Regional (ufa!) são, em termos de informação da opinião pública, uma aposta completamente falhada. De facto, se Lomba, quando questionado sobre qualquer  assunto mais escaldante, continuar a proferir a fórmula  “Não vou responder à sua pergunta”, ou a considerar que o  assunto é "requentado", é evidente que tais exercícios, do ponto de vista do governo, são, além de inúteis,  prejudiciais. A imagem que o governo transmite através de tais exercícios de cordas vocais está muito longe de sair favorecida. 
Deve, no entanto, dizer-se que, em boa verdade, a culpa não é da exclusiva responsabilidade de Lomba. Os governantes que têm aparecido a acompanhar o secretário de Estado adjunto do ministro adjunto e do Desenvolvimento Regional (ufa!) também não têm ajudado mesmo nada. O último exemplo é o que foi dado pelo secretário de Estado do Tesouro, Joaquim Pais Jorge que, quando questionado sobre a notícia que o dá como interveniente na apresentação de propostas de swaps  do Citibank Coverage Portugal ao Governo de José Sócrates em 2005, acabou por, "visivelmente nervoso", meter os pés pelas mãos.
Se os briefings de Lomba são, para o governo, um perfeito desastre, há que reconhecer que, ao invés, são extremamente úteis para a formação da opinião pública. O facto de a comunicação social continuar a acompanhar os exercícios vocais de Lomba, em vez de o deixar a "falar para as paredes", tem dado um enorme contributo para que os portugueses fiquem a saber a que espécie de gente é que os eleitores entregaram a governação do país.

4 comentários:

jose neves disse...

Clamote,
venho clamar pelo comentário que deixei e ficou pendente de aprovação acerca do post "Algo não bate certo" sobre sondagens.
Que raio de ética política é essa que nem o mínimo comentário crítico suporta?

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Estes "b(r)ifes do Lombo vão tornar-se num must deste governo. O Lomba presta-se bem ao papel de palhaço.
Bom fds, Francisco

Francisco Clamote disse...

Caro José Neves, o comentário a que se refere foi publicado logo que dei conta da sua existência. (Nem sempre estou de serviço a este blogue, como é evidente.)
Está, no entanto, deslocado, pois não diz respeito ao "post" em que aparece publicado.A culpa, porém, não é minha, como sabe.

Anónimo disse...

O Lomba é estrábico.
O moço NÃO VÊ bem as coisas!