segunda-feira, 5 de agosto de 2013

"Quem tem uma mãe tem tudo"





E se a mãe for uma figura pública, com acesso fácil à comunicação social, então nem é bom falar. O irrevogável , logo, revogável, Paulo Portas que o diga.
Que Helena Sacadura Cabral apareça a limpar a imagem do filho ("O que o meu filho sofreu de Setembro do ano passado até agora, só eu e ele é que sabemos") compreende-se perfeitamente. É mãe.
Que um jornal se preste a fazer o papel de passa-culpas é que não dá para entender lá muito bem.

1 comentário:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

E aquela frase sobre as pratas e o neto de esquerda, Francisco? É um vómito!