quarta-feira, 5 de novembro de 2014

O condutor em contramão

«(...) Crato (...) disse que a educação ia na direcção certa e ofereceu-nos um discurso absurdo, próprio do condutor que entra na autoestrada em contramão e se queixa dos outros, todos, que acusa de estarem na faixa errada.
(..) 
Vejamos, em síntese, o despudor com que se elogiou.

Reforçou os conhecimentos essenciais dos alunos? Que são conhecimentos essenciais? Em que evidências se apoia para dizer isso? Há uma evidência, sim: queimou tudo o que é de raiz personalista e pública e promoveu a educação-mercadoria e privada.

Reforçou a avaliação externa? Fez os piores e mais iníquos exames de sempre, cujos resultados desmentem o que disse.

Valorizou o ensino profissionalizante? Eu digo de outro modo: elitizou o ensino, mandando crianças de 12 anos, com dificuldades, aprenderem uma profissão que não lhes dará emprego.

Aumentou o acompanhamento dos alunos com dificuldades? Como? Reduzindo professores de apoio, disciplinas, financiamento, todo o tipo de auxílios e complementos ? Mesmo para a mentira há uma "ética". Respeite-a, quando mente com tal despudor.

Valorizou a qualidade da docência? Varrendo a formação contínua? (...) Despedindo em massa? Promovendo um concurso de vergonha sem fim ? Tratando os professores como peças de um sistema acéfalo?

Deu maior autonomia às escolas? Qual? A que ninguém vê e o Conselho das Escolas lhe jogou à cara em documento que, num país decente, o demitiria ou ao conselho ? A que resulta das estúpidas metas curriculares (...)?

Aumentou a competitividade internacional do ensino superior e da ciência? Com a fraude da avaliação dos centros de investigação, que todos aniquilaram fundamentadamente, Conselho de Reitores por último? (...)»

(Santana Castilho; "A direcção certa do ministro, o bloqueio e o multilinguismo", in "Público", edição impressa de hoje,)

2 comentários:

Majo disse...

~
~ Como pode um homem inteligente descer tão baixo, a favor da fascista da Merkel?!!

~ O que ela queria, sabemos nós! Dividir a UE em dois grupos: dos países ricos e dos países de lacaios.

~ Agora, ameaça o Reino Unido que não cede às suas pressões.

~ O governo de Passos, diz "amém", a cada espirro da arrogante chanceler totalitária.
~ ~

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Parece que isso é contagioso. Passos e Marilu são os únicos que acreditam no OE 2015