sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Pavão que as suas penas despe e alheias veste...

O Pedro, o tal que é uma espécie de primeiro-ministro, tem vindo a reclamar para si próprio e para o governo de caricatura que alegadamente lidera, o mérito da descida nas taxas de juro incidentes sobre a dívida pública portuguesa, descida que ultimamente tem vindo, de facto, a ocorrer.
Para se constatar que tal não corresponde à realidade, basta atentar nos gráficos infra, onde é bem visível que a baixa das taxas de juro tem ocorrido, simultaneamente, em todos os países da zona euro com problemas de sustentabilidade da sua dívida pública.

Tem sido assim na Grécia;
na Espanha;

em Itália;

tal como em Portugal:

Como é óbvio, a simultaneidade da descida das taxas de juro em relação à divida pública de todos estes países só pode ser explicado pelo aumento da confiança dos "mercados" no que respeita à solvabilidade da dívida pública dos países em questão, graças às medidas entretanto adoptadas pelo BCE. 
Sobre isso ninguém de boa fé tem dúvidas, tanto mais que a absoluta irrelevância, a nível europeu, do Pedro nem sequer consente que a dúvida se instale.
O Pedro até pode armar-se em pavão, mas está à vista que as penas com que se enfeita não são as dele.
Cuida-te, pois, Pedro: pavão que as suas penas despe e alheias veste, o mais certo é ficar nu. 
(Os gráficos foram retirados daqui)

3 comentários:

Isa GT disse...

As tais verdades misturadas com mentiras ou apenas as meias verdades que incompletas não passam de mentiras... estranho que ainda haja gente que acredita nelas.

Bjos

Graça Sampaio disse...

Ele bem sabe que tem de se gabar nem que seja destas "vitórias" da treta para continuar a enganar os pacóvios que votaram nele e continuam a acreditar nele!

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Vitórias de Pirro...