segunda-feira, 18 de março de 2013

A falar para as paredes

Perante a manifestação e os protestos dos estudantes do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP), em Lisboa, onde se deslocou para intervir na abertura do ciclo de conferências "Sociedade Aberta e Global”, Passos (Falhar) Coelho viu-se obrigado a inaugurar um novo tipo de discurso. Tendo sido impedida a entrada das pessoas que assistiam à chegada, a espécie de primeiro-ministro que desgoverna o país  limitou-se a fazer um discurso para as paredes.
Escusadamente, digo eu, porque para dizer o que disse (o programa de rescisões deve ser encarado como "uma oportunidade e não como uma ameaça") e o que tem dito (como se sabe, o desemprego, para ele, também é uma "oportunidade")  melhor faria se ficasse calado. Sempre poupava na saliva.

1 comentário:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

A postura do homem é ridícula...mas enerva-me!