sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Emblema na lapela

"Num gesto mais próximo do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte do que do PSD nacional, Alberto João Jardim decretou que o próximo congresso do PSD-Madeira decorrerá à porta fechada.(...) O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho validará com a sua presença este atropelo às regras básicas da democracia. O facto de um partido se reunir às escondidas é por si só muito grave: trata-se, na verdade, da negação da democracia.(...)"
(Extracto do Editorial "A democracia fechada à chave" hoje, no "Público"

Face às constantes violações das regras democráticas, por parte do soba da Região, já se sabe, há muito, que a democracia na Região Autónoma da Madeira não passa de um emblema para usar na lapela durante as campanhas eleitorais e para deitar fora logo depois.
Alberto João Jardim contou sempre, senão com o aplauso, pelo menos, com a complacência do PSD nacional, o que só pode ter o significado de que o PSD nacional convive bem com o modelo de democracia do tipo "usa e deita fora". A presença do líder nacional do PSD e actual primeiro-ministro no congresso à porta fechada é só mais uma confirmação. Qual é, pois, o espanto?

1 comentário:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

E lá conseguiu sacar mais uns milhões em troca de votos para o OE. Essa é que é essa.
Abraço e bom fds