sábado, 21 de março de 2015

"Homens sem qualidades e sem responsabilidades"

«É difícil aceitar - embora com a luta de classes actual haja muita gente que engole tudo do “seu lado” e aponta tudo ao “outro” - o que se está a passar ao nível do discurso político em Portugal. Três exemplos mostram essa degradação: o “caso” da lista VIP, as declarações do ministro Pires de Lima sobre o relatório do FMI, e o modo como Paulo Portas se comportou na audição parlamentar do “caso” BES.
Dois “casos” e um longo exercício de “comentador” de um ministro que, se as pessoas tivessem essa coisa antiga que se chama vergonha, também deveria ser um “caso”. Registe-se, de passagem, que quando não lhes convém os ministros estão sempre a dizer que “não são comentadores”, mas quando acham que têm alguma coisa dizer ao mundo “comentam” e não é pouco.
Todos estes “casos” têm em comum pessoas que estão no topo da nossa hierarquia política, emblemáticas da actual “situação”, que se sentem especialmente acossadas e que respondem a esse encostar à parede com especial arrogância e insolência, sem que nada disto tenha qualquer consequência especial. Por razões de estilo, que se transmite de cima para baixo, todos são do CDS. Em Portugal, chegando-se ao poder, pode-se fazer quase tudo, sem responsabilidade e consequência. Não é de agora, mas agora a mediocridade do poder aumenta a visibilidade e a inaceitabilidade. Homens sem qualidades não assumem responsabilidades.
A lista VIP das Finanças é um caso típico. Quando tive que a comentar a primeira vez já havia o “não” peremptório do Primeiro-ministro e do Secretário de Estado das Finanças. No entanto, eu exprimi as minhas dúvidas sobre esse “não”, não só porque estou tão farto das mentiras do poder que já estou de pé atrás quando surgem estes “casos”. Mas isso não justifica nada a não ser má vontade, que pode ser preconceituosa. No entanto, havia mais: nada batia certo com os dados que já existiam quando a questão foi levantada e ainda estou por perceber, por que razão oposição e media ignoraram que o “não” não valia nada face ao que já se sabia. É que desde o início desta questão que era sabido que a existência de um “pacote VIP” tinha sido referido numa acção de formação para centenas de funcionários das Finanças e que o Sindicato afirmava de forma inequívoca que existia uma lista VIP, que havia responsabilidade do Governo na sua criação, e até, face à controvérsia, pedia ao Ministério Público que esclarecesse.
Alguém me pode explicar por que razão é que o “não” dos responsáveis governamentais valia mais do que o testemunho de centenas de pessoas e das afirmações claramente sólidas do Sindicato? Mas o “não” de Passos e Núncio valia mais do que a denúncia de um facto e a palavra do Sindicato? Pois é, valia mas não valia. Só a subserviência ao poder explica que tão facilmente se aceite a palavra dos governantes. E Passos Coelho, que conhecia a notícia daVisão, não tem um assessor que lhe diga “seja prudente enquanto não se esclarecer esta história da acção de formação”, porque era isso que tinha que ser esclarecido? Não. O poder vive da hierarquia e uma mentira navega muito bem pela hierarquia acima quando é conveniente. Homens sem qualidades não assumem responsabilidades.
Veja-se o caso de Pires de Lima e das suas declarações, num longo comentário feito na TSF no dia 18 a pretexto do relatório do FMI. Vale a pena ouvir. Numa voz arrastada e transpirando um imenso tédio, o ministro insultou os “técnicos” do FMI (quando lhes convém passam de “credores”-salvadores a “técnicos” com palas), que vinham a Lisboa para se instalar em “bons hotéis” e escrever uns relatórios provocadores para garantirem títulos nos jornais. A sua competência “técnica” era escassa, tanto mais que “falhavam em tudo” e num futuro próximo apareceriam de “orelhas de burro” aos portugueses. Tudo isto, insisto, com imenso enfado e nojo.
Irritado com o facto de os “técnicos” não alinharem no discurso eleitoral do governo, fazerem previsões pouco optimistas sobre o futuro da economia portuguesa, e denunciarem a verdade de Polichinelo que é que o governo está já há algum tempo em modo eleitoral e por isso não faz “reformas”, Pires de Lima atribuía isto tudo à necessidade mediática do FMI em ver-se falado nos jornais, sem o que se podia questionar se servia para alguma coisa. E foi mais longe: disse, não sugeriu mas disse, que o que se passava é que o FMI estava ressentido por já não “controlar a economia portuguesa”, ou seja, tinha aquilo que os portugueses chamam dor de corno.
Pires de Lima, cuja função no governo é tão fictícia como a sua visão eleitoral da economia, tem-se caraterizado por fazer uma espécie de papel de bufão da corte especializando-se por dizer piadas e umas superficialidades muitas vezes malcriadas no parlamento. Mas está a falar do FMI, uma entidade a que Portugal pertence, e que até há poucos dias era suposto “governar” o “protectorado” português, com total aplauso dos homens que queriam ir “para além da troika” (sim troika de três, BCE, Comissão Europeia e FMI…). Aliás um deles, Vítor Gaspar tem hoje um alto cargo no FMI, a tal instituição com “orelhas de burro”.
Ora se esta instituição, tecnicamente mal preparada e com “orelhas de burro”, esteve a tomar conta de nós em conúbio com o governo Passos Coelho-Portas, alguma coisa esteve muito mal no “ajustamento”. Eu sei que esteve, mas se há alguém que não tem qualquer autoridade para criticar o FMI por defender as políticas que foram as do governo PSD-CDS e que no plano teórico e ideológico nunca abandonou é Pires de Lima. É também um outro segredo de Polichinelo esconder que são essas mesmas políticas que a actual maioria vai continuar caso ganhe as eleições de 2015.
Eu sei que o que irrita Pires de Lima é a inoportunidade eleitoral das declarações do FMI, e a sua chamada de atenção para um tabu do próprio, que é a incompetência e falta de preparação de muitos empresários portugueses, porque, quanto ao resto, qual é a diferença entre o que pensava a troika e o que pensa o governo que quis ir “mais além da troika”? Nenhuma. Só não é conveniente lembrá-lo em ano eleitoral. Homens sem qualidades não assumem responsabilidades.
O terceiro caso tem a ver com Paulo Portas, que nunca mais se vai livrar nem dos submarinos, nem do “irrevogável”. Não é a oposição que assim pensa, são os portugueses, para quem se tornou uma figura particularmente detestada e por boas razões. Ele sabe disso e anda nervoso. No Parlamento, Portas comportou-se com uma notória insolência quando inquirido e o filme da sessão, acessível no You Tube, é exemplar e deve ser visto por todos. Foi interrogado pelo deputado José Magalhães que não é conhecido por ser manso e que muitas vezes é excessivo. Não foi o caso desta vez, perante um Portas malcriado até ao limite, Magalhães parecia um santo e fazia perguntas pertinentes a que Portas respondia “eu fiz, mas vocês também fizeram pior”. E, em tudo o que era delicado, fazia uma diatribe pessoal contra Magalhães - que um Presidente digno da Comissão deveria interromper de imediato - e não respondia. Ora, por muito que custe a Portas, a questão dos submarinos tem a ver com o caso BES e o que se veio a conhecer entretanto sobre a ESCOM e a partilha obscena de proveitos pelos Espírito Santo e pelos seus administradores, que foram a correr meter o dinheiro em offshores, implica um retorno aos submarinos. Ora, no centro dos submarinos está Portas, num processo que a Procuradora disse com clareza que foi mal conduzido pelo Ministério Público.
O presidente da Comissão, deputado do PSD, deixou passar em claro os insultos e postura inaceitável de Portas e admoestou Magalhães por duas vezes, esquecendo-se que na Comissão, o Vice-Primeiro-Ministro pode ter os chapéus governamentais todos, mas responde ajuramentado ao deputado. Não são iguais, mas, na balda actual, tudo é permitido. Homens sem qualidades não assumem responsabilidades.
Tudo isto são incidentes, “casos”, pormenores? Alguns são, como as declarações inqualificáveis de Pires de Lima. Mas são sinais, sintomas, emanações, efeitos, pestilência, do que está por baixo. Sempre que há degradação no poder político, seja por incompetência, abuso do poder, dolo, ou corrupção, os “casos” proliferam e são fendas pelas quais se podem perceber coisas bem mais importantes. Como esta: os homens sem qualidades não assumem responsabilidades.
(José Pacheco Pereira. Aqui

1 comentário:

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Chicamigo

Pacheco Pereira está a surpreender-me pelo positivo dos seus escritos e intervenções (incluindo as televisivas) Não tem nada a ver com o outro Pacheco Pereira que eu considerava um troca-tintas/camaleão.

Este texto é, como sempre e agora, demolidor. Um Governo sério e a sério pensaria nele e em ano eleitoral, tinha (pelo menos) de deixar de lado as negas, a arrogância e as más educações.

Mas este (des)Governo não tem emenda nem tomou chá quando era menino. Em termos futebolísticos chuta para canto e o "árbitro putativo" não o assinala e dá pontapés na gramáti..., dá pontapé de baliza.

Neste momento, em Goa, lá vou sabendo destes textos imperdíveis pelo Google. Tento não perder um. Mas a SIC não vem até cá, infelizmente, porque perco A Quadratura do Círculo

Por isso te agradeço, Chicamigo, as transcrições que fazes.

Abç com caril