quarta-feira, 18 de março de 2015

BES: todos sabiam

(...) Todos sabiam, inclusive Vítor Gaspar, o também rigoroso ministro das Finanças. Gaspar, se a versão de Ulrich é a verdadeira, mentiu à comissão de inquérito. Aos deputados, o ex-ministro disse que nas conversas mantidas com os operadores do sistema financeiro português, não se apercebeu do problema. Contudo, Fernando Ulrich tê-lo-á alertado em maio de 2013. Afinal, todos sabiam. Sabiam os responsáveis pelas Finanças, o primeiro-ministro, o presidente da República, o Banco de Portugal, a Comissão de Mercado de Valores Mobiliários. A troika. Sabiam e deixaram o furação seguir o devastador destino. Deixaram o BES fazer um aumento de capital, como se de uma entidade financeira séria se tratasse, e que os incautos comprassem ações de um banco falido. Dois meses depois, estourou e mudou de nome: passou a "banco mau", como numa história de crianças. E tudo continuou na normalidade, como se todos os titulares dos mais altos cargos nada tivessem a ver com este caso de polícia - é disso mesmo que se trata, como o demonstra o relatório da auditoria forense enviada ontem para o Parlamento.»
(Paula Ferreira; "Todos sabiam do furacão do BES". Na íntegra: aqui)

(Todos sabiam, mas ninguém presta contas. Cavaco e Coelho, inclusive, a beneficiarem da impunidade reinante. Só para alguns, é claro)

2 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Mais grave ainda do que todos saberem, é terem gozado com a AR.Uma infâmia!

Majo disse...

~
~ Se toda esta sordidez contribuísse para fazer
de Portugal um país menos corrupto...
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~