quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Há que compreender que se este governo nos esmaga com esbulhos e impostos sobre impostos é só para salvaguardar a biodiversidade


Não é preciso possuir grande erudição para saber que as mulheres e os homens actuais são classificados pelos cientistas como Homo sapiens sapiens. Basta dar uma vista de olhos por uma enciclopédia para o ficar a saber e para reconhecer que se trata duma subespécie da espécie homo sapiens, do género Homo, a qual, por sua vez, digo eu, pode incluir e inclui, de facto, várias formas. Sem a pretensão de ser exaustivo, porque este "post" não pretende ser uma lição sobre taxonomia, vou elencar umas tantas, apenas  as necessárias para tornar claro o tema  que me propus. Assim, por exemplo, são conhecidas as formas do H. s.sapiens f. pauperrimus;   H. s.sapiens f.  pauper;  H. s.sapiens f. mediaeclassisH. s.sapiens f. fortunatus e H. s.sapiens f. potestatis-beneficiarius, além de outras que agora não vêm ao caso. 
Sabe-se que a vida não está nada fácil para as três primeiras formas (pauperrimus, pauper e mediaeclassis), mas era suposto que para as outras duas, a vida corria pelo melhor. A suposição, porém não passa disso mesmo. Só assim se compreendem os lamentos do fortunatus Belmiro de Azevedo, ou a ameaça de se "pirar" do potestatis-beneficiarius António Nogueira Leite.
E como não compreender, perante os lamentos dos fortunati, como Azevedo, e as ameaças dos potestatis-beneficiarii, como Leite, que o governo tenha descarregado sobre os outros todo o peso das medidas de austeridade? Não se está mesmo a ver que, se este governo (ia dizer, por hábito, de malfeitores, mas retiro a palavra)  assim procede, é apenas devido à sua preocupação pela conservação da biodiversidade. 
A explicação até é simples: enquanto os fortunatipotestatis-beneficiarii são poucos e há pois que velar pela sua conservação e robustecimento; os outros são tantos que a sua conservação está sempre assegurada, pois, entre mortos e feridos, alguns hão-de escapar.
Se ainda faltava uma razão para nos mover a participar nas manifestações agendadas para o próximo dia 15, para mostrar ao governo de malfeitores, toda a nossa satisfação pelas medidas de austeridade anunciadas, aqui a temos.

2 comentários:

Evaristo Ferreira disse...

Caro Francisco,
Este post está carregado de laivos antropológicos e de fino humor. Parabens. Agora compreendo por que razão o Passos Coelho tira aos pobres para proteger os "fortunatis" e os "potestatis-beneficiarius". Afinal, o Pedro é um amigo das espécies raras... Que o Diabo lhe faça a cama.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Grande malha, Francisco!