segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Farsantes

Passada a farsa inicial da contenção de gastos por parte do actual governo, a pompa e circunstância regressaram aos ministérios. Fica assim explicada a razão por que, no Orçamento para 2012, os famosos "consumos intermédios" em vez de terem diminuído, aumentaram. E fica também explicada, pelo menos em parte, a razão de ser dos cortes nos subsídios de férias e de Natal dos funcionários públicos e dos pensionistas: o dinheiro não dá para tudo e há que fazer opções: o governo passista optou pelas "bombas".
A propósito: não era este o artista  que dizia que com este governo ninguém fica para trás? Pois agora com esta "bomba" ao seu serviço, o ministro da Solidariedade (!)  deixa para trás todos os que andam a pé, de bicicleta, de mota e até os antigos companheiros de vespa.
Farsantes é o que eles são!

(imagem daqui)

2 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

O especialista do gabinete do Relvas já veio publicar um comunicado num dos blogs do passismo, em defesa do Mota. ( Por mera previdência fê-lo na caixa de comentários, não fossem os leitores reagir mal...)
Para o coelhismo militante, também é culpa do Sócrates ( ou, neste caso, do Zorrinho) Os tipos não sabem que os contratos são negociáveis...

Anónimo disse...

Cambada, esta canalha não acaba e este país cái a pique.