quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Portugal não é, de facto, a Grécia

Ou melhor dizendo: o governo português consegue ser mais servil que o grego.

1 comentário:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Isto anda tudo ao contrário. Divergimos da Grécia naquilo que devíamos convergir e convergimos naquilo que convinha divergir.