terça-feira, 8 de outubro de 2013

Figura de corpo presente

Já vimos que por mais graves que sejam as acusações que recaiam sobre Rui Machete, nem ele se demite, nem o primeiro-ministro o demite, nem o força a demitir-se. Tratando-se de quem se trata, até são compreensíveis tais comportamentos, visto que, até agora, nem um nem o outro deram sinais de se preocuparem com ofensas à ética republicana, ou com a violação dos deveres que incumbem a um governante digno desse nome. Já me admira, no entanto, que, por simples razões pragmáticas, nem um, nem o outro tomem a decisão que há muito se impõe.
Se bem que seja verdade que, para salvaguarda da dignidade do Estado, a demissão já vem tarde, sempre essa demissão poderia ter a virtualidade de criar a aparência de que o governo funciona. Ora, até essa aparência se esfuma, caso Machete permaneça no governo, pois fica à vista de toda a gente que, sendo tantas e tão graves as encrencas em que o ministro Machete se envolveu, não lhe sobra tempo para tratar dos assuntos do ministério a seu cargo.
E sendo este o caso,  o que faz ele ainda no Ministério dos Negócios Estrangeiros?
Diria eu que figura de corpo presente, mas lendo esta peça, sou levado a concluir que é bem pior do que isso.

3 comentários:

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Clamotamigo

Os Bradsileiros dizem que faz que anda, mas não anda...

Abç

Henrique

Graça Sampaio disse...

O que faz ele ainda no "governo" e o que faz este "governo" ainda em funções? E o que faz aquele escavacado de Belém ainda em Belém?

Acontece assim porque este povo que somos todos nós NÃO REAGE, NÃO SE MEXE!!!

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Pois é... faz fretes!