terça-feira, 2 de outubro de 2012

Bom diagnóstico, mau remédio...

"O ministro mais fragilizado não é o das Finanças, o da Economia, o dos Assuntos Parlamentares nem a da Agricultura. É o primeiro-ministro. Alguém tem de ter coragem para lhe dizer. E ele tem de ter coragem para ouvir, limpar a garganta, cerrar os punhos e dar o exemplo ao País: lutar.
(Pedro Santos Guerreiro; "Sitiados". Na íntegra: aqui)
Fraco o remédio, o proposto: se o mais fragilizado é o primeiro-ministro, que se pode esperar dele? Lutar contra quê ou contra quem? Só se for contra os pobres e os oprimidos com impostos e com cortes de salários, que outra coisa o fragilizado não sabe fazer. Mais do mesmo, para quê?

2 comentários:

Isa GT disse...

Para quê?
Esta é fácil, eles só querem o tempo necessário para as últimas vendas e entregar ao sector privado todo o tipo de serviço que derem para sacar algum rendimento... o resto é para ir entretendo e fazer apenas cobranças... sobre o que temos e o que já deixámos de ter.

Bjos

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Já várias vezes escrevi isso, Francisco. O grande problema deste governo é PPC e sem esse mal ser extirpado, não vamos a lado nenhum