terça-feira, 2 de outubro de 2012

Não haverá muito mais a dizer?

"Os portugueses têm feito os sacrifícios que julgavam necessários e suficientes, mas naquela relação de troca nada receberam. Como chefe do Governo, Passos Coelho é o responsável máximo pelas suas escolhas, de pessoas e medidas. Mas existem limites ao que podemos tolerar além da incompetência. Apesar de simpático, como muitos o têm classificado, Passos Coelho é um homem/líder fraco que lê e debita uns papéis que os ministros e consultores lhe preparam e que em desespero até já chegou a culpar os portugueses pelo insucesso nas previsões e resultados. Não há muito mais a dizer."
(Manuela Arcanjo; "O primeiro-ministro e os outros". Na íntegra aqui)
Será que não há mesmo muito mais a dizer?
Há quem já tenha dito muito mais, mas, na verdade, para o desqualificar como primeiro-ministro, basta.

1 comentário:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Ele já está desqualificado é como homem, Francisco
Abraço