terça-feira, 29 de maio de 2012

À consideração do ministro da Defesa

Parece que é da praxe que o ministro da Defesa "bote faladura" sempre que há comemorações de batalhas. Foi assim, há tempos, na comemoração da Batalha dos Atoleiros e hoje repetiu-se a cena nas comemorações da Batalha de São Marcos, batalha de que, para vergonha minha, não me lembro de ouvir falar.
O discurso, mais ponto, menos vírgula, é que é sempre o mesmo, o que, a bem dizer, não é motivo para admirar, pois a "nulidade" que o profere é também sempre a mesma.
Se a ideia é sempre a mesma (a luta com Espanha a servir como exemplo de que somos capazes de ultrapassar as dificuldades, com "inovação", sempre, e "com empenho e com coragem", às vezes) por que razão não substitui o ministro a sua deslocação pelo envio duma gravação?  Era uma excelente forma de levar à prática a palavra "inovação" tanto mais justificada quanto é certo que os tempos que correm são de apertar o cinto.

E daí, pensando melhor, volto atrás na minha sugestão, pois talvez não seja boa ideia. É que se é fácil transmitir, numa gravação, a mensagem da "inovação", já o mesmo se não pode dizer da "coragem" e do "empenho" do ministro na luta contra os castelhanos.
A presença do ministro faz mesmo falta, concluo. Até para a gente se rir.


Adenda: 
Atendendo às transcrições supra, das duas uma:  ou os jornais andam a reproduzir incorrectamente as palavras de Aguiar Branco, ou o ministro está a precisar dumas aulas de português.

2 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

A batalha de S. Marcos não terá sido inventada para dar oportunidade ao ministro de falar?
se fala tanto no sucesso das vitórias sobre Castela, por que raio suprimiu o governo o feriado de 1º de dezembro?

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Essa batalha de S. Marcos não terá sido inventada para dar oportunidade ao ministro de falar?
Se as vitórias sobre Castela foram assim tão importantes, por que raio acabaram com o feriado do 1 de dezembro?