quinta-feira, 26 de julho de 2012

As "sanguessugas"

Eles (Relvas & C.ª) bem que falavam, antes do assalto ao poder, em "gorduras" do Estado. Afinal, Relvas, pelo menos, sabia muito bem do que falava, por experiência própria. De facto, segundo as contas da "Visão" (edição de hoje) a autarquia de Tomar, gastou, só nos últimos seis anos,  a bela maquia de 26.463 euros com o telemóvel atribuído a Relvas.
Poderá objectar-se que é tudo legal. Mesmo perante a eventual objecção, nem sequer me vou dar ao trabalho de saber se a atribuição de um telemóvel ao presidente da Assembleia Municipal de Tomar (ou de qualquer outro município), sem limites na sua utilização e à custa do contribuinte é legal ou não. Pela razão simples de que se é legal, é evidente, a todas as luzes, que não o deveria ser.
Não estou com isto a defender que a atribuição de telemóveis de serviço deva ser simplesmente abolida. Muito longe disso,  porque, em muitos casos, essa atribuição tem plena justificação.  É o caso dos membros dos executivos governamentais e camarários e dos directores-gerais e chefes de serviço da administração central e local. Nesses casos faz todo o sentido, dentro de certos limites, como óbvio.
Não assim no caso ora vindo a público, nas páginas da Visão, em relação a  Relvas, caso que, admito, não será único.
Seja ou não seja caso único, é inadmissível que alguém, na situação de Relvas (presidente duma qualquer assembleia municipal) tenha direito à atribuição de telemóvel para usar como bem entender e ainda por cima, como no caso dele, sem limitação nos gastos. A participação, durante um ano, em meia dúzia (se tantas) reuniões da Assembleia Municipal de modo nenhum o justifica, até porque as reuniões são convocadas com antecedência e não é por telemóvel.
Quem assim procede, gastando quantias exorbitantes, como no caso de Relvas, usando em proveito próprio, dinheiros públicos, sem qualquer justificação (legal, ou não) merece inteiramente o nome de  "sanguessuga". 
Não ganhou, porventura, esta espécie o direito a tal designação exactamente porque se alimenta  sugando o sangue alheio? E qual a diferença?

2 comentários:

folha seca disse...

Caro Francisco Clamote
Costuma dizer-se que quanto mais se mexe na m.... mais ela cheira mal. Haja capacidade, vontade e meios para a enfiar num esgoto onde o saneamento esteja operacional para que não vá desaguar numa conduta entupida e vá parar a um sítio qualquer onde tenhamos que continuar a gramar o cheiro.
Abraço
Rodrigo

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Caro Francisco
De regresso a casa, passo para lhe deixar um abraço.
Constato que o Relvas continua a exalar um fedor insuportável. Não me espanta, porque senti-o do lado de lá da fronteira...
Bem, o que vale é saber que os blogs amigos continuam por cá e já vi que o Cãmara Corporativa está de volta, o que é uma boa notícia
Abraço