segunda-feira, 22 de julho de 2013

Pode não ser o mais desejado, mas lá que há crescimento, não há dúvida.

Tenho ideia que Cavaco Silva, durante a algaraviada de ontem, entre outras coisas de somenos, também falou em "crescimento".
Ora, falta de "crescimento" é coisa de que Cavaco não se pode queixar, em relação ao governo que decidiu manter em funções. Trata-se de crescimento da dívida, é certo, mas, em boa verdade, sendo suposto que Cavaco está bem informado sobre a situação do país, também não podia estar a falar de qualquer outra espécie de "crescimento". A sua esperança nesse tipo de "crescimento" não vai sair frustrada. É o que dizem os números: "A dívida pública portuguesa aumentou para 127,2% do PIB no primeiro trimestre, contra 123,8% registados no trimestre anterior e 112,3% observados um ano antes, sendo a terceira mais elevada da União Europeia".

1 comentário:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

e vai haver outro tipo de crescimento, que se verá já nos próximos dias...