domingo, 29 de janeiro de 2012

O "touro" exangue

Salvo um ou outro aficionado, já ninguém acredita que este governo leve o país a bom porto. E, em boa verdade, já nem o governo, nem o presidente da República, acreditam. 
De facto, é o próprio governo que já confessa a sua completa incapacidade, quando remete a responsabilidade das dificuldades que o país atravessa para a política da União Europeia, no seu conjunto e quando admite que o "êxito" das suas desastradas políticas é fruto de "condicionantes externas", esquecendo que Passos e o seu governo não só têm feito gala de querer "ir além da troika" como, na verdade, impuseram ao país medidas tão excessivas como o corte generalizado do subsídio de Natal, no ano que findou, ou tão excessivas e tão iníquas, como o corte, neste ano, dos subsídios de férias e de Natal aos funcionários públicos, aos empregados de empresas públicas e aos pensionistas, medidas que geraram uma crise de confiança que, junta à crise económica e financeira, vai ter como resultado, neste ano, o que já aconteceu no último trimestre:  as receitas cobradas pelo Estado vão cair a pique.
Por outro lado, segundo dá conta o "Público", hoje, " é absoluta a discordância de algumas das mais proeminentes personalidades do cavaquismo e do próprio Presidente da República sobre a condução da política orçamental e as prioridades para a organização das finanças públicas, que têm sido adoptadas pelo Governo". 
Os cavaquistas defendem mesmo que está na hora de o ministro Gaspar ser "posto a andar" para fora do governo, embora eu não esteja a ver bem a razão por que é que só o "ultraliberal" Gaspar é que tem de sair. Quanto a mim, a solução passa por mandar borda fora toda a "tripulação". Nem Gaspar é mais "ultraliberal" do que Passos Coelho, nem é ele o primeiro responsável pelo desastre que se anuncia. 
Entretanto, o país está resignado perante o descalabro e já não dá sinais de reagir. Mal comparado, como diria o outro, isto faz-me lembrar o touro na arena, que, por demasiado picado, cai prostrado na arena, exangue, por excesso de sangria.
Tourada

2 comentários:

folha seca disse...

Caro Francisco Clamote.
Excelente análise que termina com uma conclusão preocupante mas realista. De facto tirando um ou outro "fogacho" estamos a ser sangrados e sem a reacção adequada.
Até quando?
Abraço
Rodrigo

RC disse...

Estamos a ser cozinhadas em água quente! http://en.wikipedia.org/wiki/Boiling_frog